São tumores que ocorrem no canal e bordas externas do ânus, esses são mais frequentes entre as mulheres. Os que surgem nas bordas do ânus são mais comuns no homem. Os tumores malignos ocorrem em tipos diferentes de tecidos, sendo o carcinoma epidermoide responsável por 85% dos casos. O câncer anal é raro e representa de 1% a 2% de todos os tumores do cólon e de 2% a 4% de todos os tipos de câncer que acometem o intestino grosso.

Deve-se procurar um médico na presença de um ou mais dos seguintes sintomas: sangramento retal (mesmo em pequena quantidade), dor ou sensação de pressão ao redor do ânus, coceira ou secreções incomuns, ou uma protuberância próxima ao ânus. Se existem sinais de câncer anal, geralmente indica-se um exame mais profundo, procurando por lesões no reto, inicialmente com exame digital (toque com indicador) e retossigmoidoscopia, se necessário. Sempre que possível, o médico retira pequenos pedaços da lesão (biópsia) para exame ao microscópio.

Um bom acompanhamento após o diagnóstico e tratamento são fundamentais para manter a doença sob controle, ou mesmo para se certificar a ausência de recaídas. Acima de tudo, recomenda-se sempre procurar avaliação médica especializada para qualquer alteração e realizar exames periódicos anualmente. Prevenir continua sendo o melhor remédio.